No coração de Curaçao

Querido bispo Macedo,

Vivo em uma pequena ilha na América Central chamada Curaçao. Escreve-se assim mesmo, parecido com coração. É um país pequeno, cercado de praias e o mar azul das Antilhas Holandesas, que no mapa do mundo aparece como um pequeno traço no mar do Caribe.

Há nove anos, tivemos o privilégio de receber um templo da Igreja Universal do Reino de Deus que, ao longo desse tempo, tem transformado inúmeras vidas por aqui, graças a essa visão missionária que se originou no Brasil. Eu compreendi essa missão do senhor ao terminar de ler o livro ‘Nada que Perder’ (em espanhol).

Foram dois dias de reflexão que me fizeram crescer espiritualmente. Eu era vazia, depressiva, cheia de medos e angústias. Deus era um desconhecido para mim. Tantas inseguranças me faziam triste e incompleta. Tive preparação acadêmica em vários países da Europa, construí certa influência como estudiosa, mas carregava um buraco no meu interior. Tentei o suicídio por não achar motivação para viver e me isolei do mundo. Só consegui me libertar desse abismo quando conheci a Palavra de Deus. O Espírito Santo mudou meu jeito de ser e viver usando as mensagens de fé do senhor distribuídas na igreja. Mesmo em português, conseguia compreender suas palavras e assimilava o sentido de revelações tão edificantes.

Estamos usando o ‘Nada que Perder’ para espalhar, ainda mais, essa mesma mensagem de salvação em nosso país. Saímos pelas vielas da ilha falando do poder de Deus. O Senhor Jesus está chegando aos corações de Curaçao transformando a forma de pensar do povo daqui. E não é apenas em Curaçao: nossos países vizinhos, como as ilhas de Bonaire, Aruba e Saint Maarten já têm um cenáculo do Espírito Santo e também receberam o livro após o lançamento oficial na Venezuela.

Que privilégio os brasileiros têm de ter o senhor tão pertinho pregando todas as quartas e domingos; de poder aprender pessoalmente com seus ensinamentos em reuniões tão próximas de onde vivem. Isso é sublime!

Deus abençoe o senhor e o povo da IURD no Brasil.
Sharella Lucila Monguen, 36 anos, Willemstad, capital de Curaçao.

P.S.: Gostaria de ler aqui os comentários dos amigos brasileiros sobre as experiências espirituais com o ‘Nada que Perder’. Em algumas reuniões em Curaçao, passamos horas conversando sobre como o senhor usou a fé para vencer tantos desafios na vida. Como faz bem para a nossa alma!

Publicado em Sem categoria. Leave a Comment »

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: